17 FEV 2016 Terceirona perde quatro clubes Vinícius Conrad
A torcida do Palmeirense compareceu aos jogos e viu o clube chegar muito próximo do acesso - Foto: Divulgação

A torcida do Palmeirense compareceu aos jogos e viu o clube chegar muito próximo do acesso – Foto: Divulgação

O presidente da Federação Gaúcha de Futebol (FGF) confirmou que quatro clubes desistiram de participar da Terceirona que agora é chamada de segunda divisão. De acordo com Francisco Novelletto Neto: Palmeirense, Garibaldi, 14 de Julho de Livramento e Riopardense são os clubes que comunicaram que estão fora da edição de 2016 da competição em que apenas um conquista o acesso para divisão de acesso, a Segundona.

Participante atuante nos grupos de discussão do futebol gaúcho e torcedor que saiu da arquibancada para ajudar dentro do clube, Deive Gessinger é reconhecido pela sua paixão ao Palmeirense. Ele entende a decisão do presidente Cabral, mas lamenta em diálogo sincero pelo Facebook que foi autorizado para publicação. “O lado torcedor fica triste. Mesmo que no último ano eu tenha curtido menos a arquibancada por estar envolvido, é brabo imagina as portas fechadas novamente, saber que no domingo não haverá jogo ali ou na casa de algum rival. Nesse ano teria o clássico em Carazinho depois de uma década. O lado racional de quem viu de perto as dificuldades diz que no momento é suicídio seguir. Esse formato não sustenta mais ninguém. Hoje uma empresa rica alega que vivemos momentos de crise e com isso nega uma ajuda de R$200,00 mensais. Isso aconteceu no último segundo semestre. Os patrocinadores vinham alertando que neste ano não iriam ajudar e que esse valor contribui no pagamento dos funcionários. O Poder Público dá mais apoio à evento religioso que ao clube da cidade. Quem realmente vai sofrer é o torcedor apaixonado que pagava os seus R$15,00 suados de um dia de trabalho para assistir aos jogos. Existem empresas grandes e o agronegócio local sustentariam facilmente o clube, mas não querem contribuir. É uma pena!”, afirmou.

A frustação de Deive aumenta quando relembra que estiveram muito próximos de conquistar o acesso. Questionado se a comunidade se desmotivou com o gosto de chegar perto e não conseguir, o torcedor é ainda mais sincero. “Aquela gana do acesso faz a cancha lotar. Copinha não tem o mesmo apelo e ali já esfriou. No ápice dava 600 pagantes. Patrocinadores (mesmo que poucos) estavam em dia, haviam sócios que rendiam uma verba que contribuía com pagamento de compromissos mensais, como a luz. Aos poucos as coisas murcharam. No segundo semestre chegamos ficar com 20, 30 sócios em dia. Os patrocinadores já não atendiam o telefone. Teve jogos que não se conseguiu pagar os custos da arbitragem. Tem torcedores fanáticos que irão sentir muita falta, mas ao mesmo tempo tem pessoas que sabiam das dificuldades e entravam de graça nos jogos. É dose”, conclui.

Relembre o vídeo com a entrevista que realizamos com Deive na fase final da #Terceirona:

O Esporte Clube Palmeirense é um dos quatro clubes que lutam pelas duas vagas para final da #Terceirona em que apenas o…

Publicado por Esportchê em Sábado, 11 de julho de 2015

Gostou? Então compartilha, tchê!
Deixa teu comentário