23 SET 2013 Tudo igual no primeiro Bra-Pel decisivo Vinicius Peraça

Jogo foi bastantes disputado na Boca do Lobo, mas faltou criatividade para balançar as redes. (Foto: Ítalo Santos / GEB)

O dia, uma segunda-feira, foi ruim. O clima, frio e chuvoso, também não ajudou. E para completar, os fanáticos torcedores que tomaram um banho na Boca do Lobo para assistir o primeiro Bra-Pel decisivo tiveram que retornar para casa com a frustração de um 0 a 0.

O resultado, embora não seja bom para nenhum dos times, pode ser considerado melhor para o rubro-negro. Afinal de contas, a partida que decide quem será o campeão do primeiro turno da Copa Sul-Fronteira será no Estádio Bento Freitas, quinta-feira, às 20h30.

Se vencer na Baixada o Brasil será campeão. Ao Pelotas basta um empate com gols para ficar com a taça por conta do saldo qualificado. Se o marcador zerado se repetir, a decisão será nos pênaltis.

Mas e o jogo?

O primeiro tempo na Avenida iniciou em alta tensão. Logo no primeiro ataque, na verdade um contra-ataque, o Pelotas criou duas grandes chances de abrir o placar. A primeira delas aos dois minutos. Felipe Garcia teve a oportunidade de marcar frente a frente com Luiz Muller, mas o camisa 1 xavante salvou tocando para escanteio. Na cobrança Édson Borges cabeceou, Luiz Muller fez outra grande defesa e antes de sair a bola foi no travessão.

O que se viu em seguida foi um jogo duro no gramado molhado da Boca do Lobo. Tanto que o árbitro Anderson Daronco precisou diversas vezes pedir calma aos capitães e aos bancos de reservas. Sobrou até para um dos gandulas, que foi obrigado a sair do campo e ser substituído. De bom mesmo, com a bola rolando, praticamente nada.

Após os 45 minutos iniciais em que esteve apagado, o Brasil voltou melhor do intervalo. Especialmente nos 15 minutos, quando o Pelotas foi totalmente dominado, embora sem grande perigo para o goleiro do Lobão.

Aos 33, lance polêmico. Em uma jogada na entrada da área xavante a bola tocou no braço do jogador rubro-negro. Daronco marcou a infração, mas o bandeirinha apontou toque fora da área, revoltando a torcida áureo-cerúlea.

E no resto da etapa final, jogo muito truncado. Muito por conta da arbitragem. Inseguro, Daronco fez questão de travar o jogo a cada contato, especialmente nas disputas em cobranças de escanteio.

Com pouca criatividade dos jogadores, chuva e o juiz segurando o jogo, não havia como dar outro placar. Pelotas 0 x 0 Brasil. Ficou tudo para a quinta-feira.

Gostou? Então compartilha, tchê!
Deixa teu comentário