17 JUL 2013 Uma mão e quatro dedos na taça Leandro Lopes
Alex Amado, com um gol e uma assistência, foi um dos destaques rubro-negros. (Foto: João Pedro Figueiredo / Leão do Parque)

         Alex Amado, com gol e assistência, foi um dos destaques. (Foto: João Pedro Figueiredo / Leão do Parque)

Não dá pra dizer que foi “sem sustos”. Mas foi uma sarrafada. O Brasil de Pelotas foi a Rio Grande enfrentar o São Paulo na primeira partida da grande final da Série A2. Estádio com bom público, equipes preparadas, torcedores entusiasmados e um árbitro aniversariante. Cinco gols mais tarde, o xavante está com a taça debaixo do braço e o São Paulo vai precisar que ocorra uma verdadeira HECATOMBE para pegá-la de volta.

Logo no início da partida, aos sete minutos, Fabiano Diniz abriu o placar arriscando um chutaço de longe. A festa da torcida rubro-verde perdurou até o gol de empate rubro-negro, que saiu após um tijolaço de Maicom Sapucaia. O Brasil teve ainda a oportunidade de virar o jogo com Cleiton, mas o jogo foi para o intervalo na igualdade.

(Foto: João Pedro Figueiredo / Leão do Parque)

     (Foto: João Pedro Figueiredo / Leão do Parque)

Ainda no intervalo, a luz caiu. Antes do jogo já havia caído, mas – não satisfeita – resolveu dar o ar de sua graça enquanto os times estavam no vestiário. Com alguns minutos de atraso, a bola voltou a rolar. No entanto a falta de luz – de alguma forma – atingiu os atletas do São Paulo. Eles voltaram sem energia, a exemplo do estádio. O Brasil percebeu e virou o jogo com Alex Amado, mais uma vez em uma paulada, sem chances para “São Luciano”.

E nem mesmo o mais santo dos goleiros poderia prever o que vinha pela frente. Uma “blitz” xavante culminou no terceiro gol. Cirilo, o zagueiro das grandes orelhas e dos gols decisivos. Ele subiu para desviar para o gol e enlouquecer a massa rubro-negra presente no Aldo Dapuzzo. O torcedor rubro-verde ensaiava uma saída do estádio quando veio o último golpe. William Koslowski entrou em campo para fechar o placar para o Brasil, 4 a 1.

Antes do fim da partida, mais falta de luz no estádio. Confusão em campo, confusão na arquibancada, confusão na área técnica, mas nenhuma expulsão. O árbitro Luis Teixeira Rocha pôs fim ao jogo após o quarto apagão, aos 42 minutos da segunda etapa. A partida acabou sem bolo e sem parabéns para o juizão, mas com goleada e muita festa para os torcedores pelotenses.

Não faltou confusão e empurra-empurra no Dapuzzo. (Foto: João Pedro Figueiredo / Leão do Parque)

           Não faltou confusão e empurra-empurra no Dapuzzo. (Foto: João Pedro Figueiredo / Leão do Parque)

No sábado Brasil e São Paulo se enfrentam na segunda partida da grande final. O jogo vai ser no Bento Freitas, onde o xavante não perdeu nenhum jogo. Sem delongas: Leão do Parque precisa de três gols e um milagre. Brasil precisa esperar e levantar a taça. O confronto começa às 20h30min.

Gostou? Então compartilha, tchê!
Deixa teu comentário